Este curso tem como objectivo dar aos participantes a capacidade de visitar uma gruta de dificuldade média, quando enquadrados por chefes de equipa habilitados, e descobrir globalmente os diferentes aspectos culturais, científicos e ambientais relacionados com as grutas e regiões calcárias. Realiza-se nos dias 17, 19, 20, 23, 26, 27 de Julho de 2008 e é composto por aulas teóricas, treinos técnicos em falésias e visitas a grutas de acesso vertical e horizontal.

Cartaz Curso Iniciacao Espeleologia 2008 Julho G

Dando continuidade aos trabalhos que tem vindo a desenvolver, a Secção de Mergulho da SPE levou a cabo a cabo entre 30 Maio e 2 Junho de 2008 mais uma campanha de espeleomergulho na nascente dos Olhos de Água do Alviela. A campanha anterior centrou-se nos primeiros 30m de profundidade da entrada principal (Olhos de Água). Esta campanha dará continuidade à obtenção de uma topografia mais detalhada da zona submersa e incluirá a realização de filmagem.

Foto: Delfim Machado 2008

Mergulhadores:

  • Piotr Gajek (Portugal)
  • Ricardo Constantino (Portugal)
  • Luís Magro (Portugal)
  • Delfim Machado (Portugal)
  • Cláudio Pereira (Portugal)
  • Davide de Antoni (Itália)
  • Luca Brazzi (Itália)
  • Andrea Marrasich (Itália)
  • Joaquin Gonzalez Moya (Espanha)
  • Miquel Gilbert (Espanha)
  • Armin Sidali (Espanha)


Coordenação técnica:

  • Ricardo Constantino
  • Piotr Gajek


Coordenação científica:

  • José António Crispim

Colaboradores:

  • António Soares
  • Hugo Batista
  • Nuno Horta
  • João Henriques
  • Submersus
  • Amora


RELATÓRIO DIÁRIO

A instabilidade meteorológica, sentida durante a semana, voltou a relembrar a equipa do adiamento do encontro de Abril pelas mesmas razões. Mesmo sem garantias de que iríamos encontrar condições mínimas para realizar os objectivos do fim-de-semana, a equipa decidiu manter este encontro.

Na 5ª Feira à tarde começaram a chegar os membros da equipa vindos de Itália, e após o acerto de alguns pormenores de última hora, a equipa reúne-se finalmente na nascente, depois do último encontro em Outubro de 2007 para avaliar as condições.

 

A chuva dos últimos dias tinha transformado as condições ideais para a prática do espeleomergulho na nascente do Alviela. Iniciámos uma ronda de consultas para encontrar alternativas (grutas) que permitissem à equipa mergulhar junta e aproveitar o investimento (garrafas de Hélio, compressor, etc) entretanto já realizado.

 

30 Maio 2008
Com as previsões meteorológicas a melhorar, decidimos avaliar mais de perto as condições. O Piotr Gajek entrou de manhã na gruta  com rebreather para avaliar as condições. Depois de 90 minutos emerge com um sorriso, referindo que a corrente ainda estava forte e a visibilidade fraca, mas que haveria todas as condições para ficarmos o primeiro dia do encontro a seco, aproveitando para treinar e rotinar os procedimentos de topografia e afinar os planos para o dia seguinte.

31 Maio 2008
De manhã realizámos um rápido mergulho de avaliação e constatámos que a visibilidade tinha duplicado deste o dia anterior; tínhamos agora 4m e corrente média; íamos começar as operações.

Depois do excelente trabalho do Piotr no dia anterior com a reparação de fio (na realidade substituição de um grande troço de linha em condições muito desafiantes), duas equipas fizeram um mergulho e ambientação até aos 40m de profundidade.

Durante os mergulhos da tarde, com durações entre os 60 e 90 minutos, cada uma das equipas iniciou o trabalho de instalação de linha nas galerias a partir dos 39m de profundidade.

Esperávamos que a visibilidade melhorasse o suficiente durante os próximos 2 dias para permitir o levantamento topográfico do sistema.

01 Junho de 2008
As condições tinham melhorado relativamente ao dia anterior mas mesmo assim não tínhamos mais de 5/6m de visibilidade, insuficiente para a topografia de pormenor que queríamos realizar, mas o suficiente para levantamento do polígono para pelo menos fazer um “stick map”.

 

O Cláudio Pereira, Delfim Machado & Luís Magro ficaram responsáveis pelo levantamento da secção até aos 30m de profundidade.

 

A equipa Andrea Marassich e Davide de Antoni ficaram encarregues de explorar e topografar a galeria da esquerda, enquanto a dupla Luca Brazi e Ricardo Constantino concentravam-se na galeria da direita.

 

Chegámos à conclusão que existem múltiplos caminhos que interligam as galerias esquerdas e direitas na zona entre os 39m e aos 41m de profundidade. Muitas das secções apresentavam linha antiga e já bastante solta e partida em muitos sítios, o que dava pistas para a passagem de nova linha mas também dificultava a navegação – foram retirados muitos metros de linha antiga.

 

Em média estávamos a fazer mergulhos na ordem dos 90min de duração, com profundidades médias nos 40m.

 

02 Junho 2008
Concentrados em encontrar a galeria direita do sistema, planeámos os mergulhos com mais uma garrafa (agora 3 stages), o que permitiu maiores tempos de fundo. O Andrea e Davide seguiram a galeria da esquerda até ao seu extremo, enquanto o Luca e Ricardo finalmente encontraram a galeria da direita – claramente menos visitada que a da esquerda, e com sedimento e algumas complicações com a linha existente.

 

A equipa do Cláudio, Delfim e Luís continuaram com a topografia do sistema mesmo em condições menos ideais de corrente e visibilidade.

 

Foi muito gratificante assistir à consolidação da equipa, o rotinar e afinar dos processos logísticos (transporte de material, enchimentos, registos etc); sobretudo a equipa de apoio de superfície sem os quais nada disto teria sido conseguido: António Soares, Hugo Batista e Nuno Horta.

 

Esperamos encontrar melhores condições em Setembro, altura da próxima grande campanha, para realizar o desenho de pormenor das galerias. Até lá vamos validar algumas estações críticas da topografia e limpar a ainda grande quantidade de linha antiga que se encontra no sistema.

 

Alguns Dados:

 
  • Distância topografada: 300 m
  • Mergulho mais extenso: 178 min
  • Profundidade Máxima: 50m
  • Número total de mergulhos: 18
  •  
    Número de garrafas de 50L 200Bar de Hélio utilizadas: 10

 

 

Apoios:
A EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA
Câmara Municipal de Alcanena
CARSOSCÓPIO
PNSAC - Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

Foto: Delfim Machado 2008

piotr.jpg

O nosso consócio Piotr Gajek e o seu companheiro Arnaldo partiram de Dublin com destino a Lisboa, no dia 02 de Maio de 2008. Percorreram em bicicleta um total de 2201km com uma tenda “às costas”. Chegaram à meta localizada no Padrão dos Descobrimentosdia no dia 24 de Maio.

Dando continuidade aos trabalhos que tem vindo a desenvolver, a Secção de Mergulho da SPE levou a cabo entre 20 e 21 de Outubro de 2007 uma campanha de espeleomergulho na nascente dos Olhos de Água do Alviela. Esta campanha teve como objectivo iniciar a topografia de pormenor na zona até aos 40m de profundidade. Foram realizadas 14 imersões e topografados cerca de 210m de galerias submersas.

Mergulhadores:
  • Alexander Sawyer (Noruega)
  • Andrea Marassich (Itália)
  • Claudio Pereira (Portugal)
  • Davide de Antoni (Itália)
  • Delfim Machado (Portugal)
  • Johannes Flem (Noruega)
  • Kenneth Lycke (Noruega)
  • Luís Magro (Portugal)
  • Miquel Gilbert (Espanha)
  • Ricardo Constantino (Portugal)


Coordenação técnica:

  • Ricardo Constantino
  • Piotr Gajek

Coordenação científica:
  • José António Crispim

Colaboradores:
  • António Carrilho
  • António Soares
  • Cláudio Magalhães
  • Domingos Cruz
  • Duarte Silvestre
  • João Carvalho
  • Miguel Rodrigues
  • Nuno Horta
  • Palmira Sá
  • Pedro Neves

Algumas estatísticas:
  • 10 mergulhadores
  • 4 equipas
  • Um total de 580 minutos de mergulho
  • Mergulho mais longo : 80 minutos
  • Mergulho mais profundo: -43m

Actividades Futuras:

Contamos dar continuidade aos trabalhos, agora iniciados, estando já previstos futuros encontros em 2008 com o objectivo de aprofundar e detalhar a topografia do sistema e registar áreas de interesse em vídeo.


Apoios:
  • A EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA
  • Câmara Municipal de Alcanena
  • CARSOSCÓPIO
  • PNSAC - Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros
  • Amorasub

Uma sessão de divulgação dos procedimentos de topografia e registo de mergulhos. Foto: Johannes Flem 2007

Debruçados sobre o mapa geológico depois de uma breve excursão pelo Canyon da Ribeira de Amiais. Foto: Alexander Sawyer 2007

Um debrief a meio do dia com toda a equipa. Johannes Flem 2007

À volta da topo enquanto se aguarda as bifanas no café. Foto: Delfim Machado 2007

Garrafas de etapa e deco prontas para serem analisadas. Foto: Delfim Machado 2007

Exposição

Este curso tem como objectivo dar aos participantes a capacidade de visitar uma gruta de dificuldade média, quando enquadrados por chefes de equipa habilitados, e descobrir globalmente os diferentes aspectos culturais, científicos e ambientais relacionados com as grutas e regiões calcárias. Realiza-se nos dias 21, 22, 23, 29 e 30 de Março de 2008 e é composto por aulas teóricas, treinos técnicos em falésias e visitas a grutas de acesso vertical e horizontal.

Cartaz do Curso de Iniciação à Espeleologia - Março de 2008

CONVOCATÓRIA

Nos termos dos Art.ºs 41º e 43º dos Estatutos da Sociedade Portuguesa de Espeleologia convoco a reunião do Congresso Nacional, para ter lugar nas instalações da Junta de Freguesia de Santo Condestável, sitas na rua Azedo Gneco, nº 84-1º, a Campo de Ourique, em Lisboa, no dia 30 de Janeiro de 2008, 4ª feira, com início às 21:00 horas e com a seguinte


ORDEM DE TRABALHOS:

Apreciação e votação do relatório, contas e pareceres dos Corpos Gerentes Nacionais

Lisboa, 29 de Dezembro de 2007

O Presidente da Mesa do Congresso

João Carlos Teiga Zilhão

2007 foi o ano de estabelecimento das novas bases para as futuras intervenções no Sistema Lomba – Regatinho. Salienta-se a avaliação da nova metodologia de bombeamento das Galerias do Nicho e vantagens de estabelecimento de um calendário de intervenções mais adequado à evolução do ano hidrológico. Do ponto de vista logístico foram avaliadas as debilidades do apoio autárquico e a necessidade de o redimensionar e redireccionar, de forma a não voltar a comprometer em 2008 a intervenção na Gruta do Regatinho.

Também no âmbito dos projectos Watermind, Almondis e PMS2-SPE foi dado apoio a traçagens efectuadas na região do Covão do Coelho, que tinham como objectivo estabelecer ligações hidrológicas subterrâneas, calcular os primeiros parâmetros possíveis e avaliar o papel de alguns acidentes geológicos importantes na organização dos escoamentos entre o Algar da Lomba, a Gruta do Regatinho e a Gruta do Almonda.

Colocação de fluorómetro na Gruta do Almonda. Foto: J. Crispim/SPE 2007

Saída de traçador na Gruta do Regatinho. Foto: Luí Lopes/SPE 2007

No ano de 2007 a SPE continuou a desenvolver actividades na Arrábida, no âmbito da sua colaboração com a Ciência Viva e com o projecto “KARSTAC, Importância do Carso no Estudo da Evolução Geomorfológica e da Variação dos Níveis Marinhos na Cadeia da Arrábida - KARSTAC” (CEGUL).

Salienta-se a actividade “As grutas que escondem as águas subterrâneas da Serra da Arrábida” incluída na campanha de Geologia no Verão de 2007, que proporcionou a visita a centena e meia de pessoas à região do Cabo Espichel e Terras do Risco, onde foram explicadas questões relativas à carsificação e circulação das águas subterrâneas na região.

Após as campanhas de 2005 e 2006, em que foram topografadas as grutas da Furna dos Segredos I, Furna dos Segredos II, Lapa das Pombas e Fisga, continuou o apoio ao trabalho nestas grutas e também à identificação de outras cavidades no Focinho do Cabo e Meimanco (três grutas). Foi também dado apoio à realização de novas traçagens nesta região e intervenções em grutas na Serra dos Pinheirinhos e Pedra do Frade, no âmbito do projecto KARSTAC e apoio ao PNA.

cortefurnadossegredosi.jpg

furnadossegredos_ii.jpg

Em 2007 a SPE participou nos trabalhos de medição da evolução dos níveis da superfície piezométrica no Sistema Mindinho – Olho de Mira, georreferenciação de cavidades no sistema e realização de traçagens da circulação subterrânea entre sumidouros na depressão do Mindinho e a zona de emergência no Olho de Mira.

Esta circulação é retardada pela faixa superficial do endocarso e apresenta valores variáveis consoante os locais de injecção e as condições hidrológicas.
Os trabalhos decorrem no âmbito dos projectos “Estudo da Confluência e Difluência das Águas Subterrâneas no Polje de Minde como meio para melhor Perspectivar a Utilização dos Recursos – WATERMIND” (CEGUL) e “Cavidades freáticas activas e fósseis de Portugal” (TNC5-SPE). Salienta-se também o apoio da empresa Geóide nos trabalhos de georreferenciação.

Gruta do Mindinho - Injecção de traçador. Foto: J. Crispim/SPE 2007

Medição de caudal no Olho de Mira. Foto: J. Crispim/SPE 2007

Mais de 1 km de novas galerias foram topografadas no sistema Moinhos Velhos - Pena - Contenda durante a campanha de 2007.

Os trabalhos iniciaram-se com a instalação de um sistema de bombeamentos eficaz para minimização do risco em situação de cheia controlada, a que se seguiram actividades de substituição e reforço das amarrações de progressão.

Após um controlo permanente da variação dos níveis piezométricos, regionalmente e nas grutas, foi possível planear com segurança as várias sessões de trabalho em gruta, entre as quais dois períodos de acampamento subterrâneo para exploração e estudo da zona de variação sazonal do nível freático.

Foram já projectadas as bases de intervenção na campanha de 2008, durante a qual, além da continuação dos trabalhos na galeria principal da Gruta dos Moinhos Velhos, se pretende também explorar os afluentes mais importantes e avaliar o comportamento hidrológico dos novos sifões descobertos.

A ligação entre as três grutas, que partilham o colector freático principal associado a uma faixa carsificada N-S, traz, assim, novos elementos para um planeamento mais eficaz dos próximos trabalhos no polje de Minde e espera-se um significativo avanço em 2008, ano do sexagésimo aniversário da SPE.

Os trabalhos estão a ser desenvolvidos no âmbito dos projectos "Galeria da Falha da Gruta dos Moinhos Velhos" (PMS3-SPE) e "Estudo da Confluência e Difluência das Águas Subterrâneas no Polje de Minde como meio para Perspectivar a Correcta Utilização dos Recursos - WATERMIND" (CEGUL) e têm o apoio constante da sociedade Grutas de Mira de Aire, SA.

Galeria da Falha de Moinhos Velhos. Foto: A. Sobreira/SPE 2007

Galeria da Falha de Moinhos Velhos. Foto: A. Sobreira/SPE 2007